Gentilezas para 2013!

Last monthNeste último post do ano no blog Quanta gentileza gostaria de me despedir do 2012 agradecendo as coisas boas que o ano me ofereceu, mas já é hora de mudar, começar um novo ciclo, estou de portas abertas para 2013, ansiosa por tudo de maravilhoso que nos espera. Que ele seja repleto de muito amor, verdade, saúde (sempre!), amigos, família, harmonia, oportunidades, dinheiro para dar e vender, sorte, e, claro, muita gentileza.

Continuo acreditando na gentileza das pessoas. Pensar na gentileza é um exercício de melhoria contínua e cada gesto gentil pode mudar muita coisa e se transformar numa corrente do bem (seja de atitudes como de pensamentos). Gostaria de compartilhar abaixo um e-mail que recebi esta semana e que na minha opinião vale até imprimir para colocar na mesinha de cabeceira, na agenda, na memória, pra não nos esquecermos da importância de cada um desses itens listados como metas para 2013.

FELIZ 2013!
Quanta gentileza!
Tammy de Andrade

Saúde:
1. Beba muita água
2. Coma mais o que nasce em árvores e plantas, e menos comida produzida em fábricas;
3. Viva com os 3 E’s: Energia, Entusiasmo e Empatia;
4. Arranje tempo para orar;
5. Faça atividades que ativem seu cérebro ;
6. Leia mais livros do que leu em 2012;
7. Sente-se em silêncio pelo menos 10 minutos por dia;
8. Durma 8 horas por dia;
9. Faça caminhadas de 20-60 minutos por dia, e enquanto caminha só pense e fale de coisas agradáveis.

Personalidade:
11. Não compare a sua vida a dos outros. Ninguém faz ideia de como é a caminhada dos outros;
12. Não tenha pensamentos negativos ou coisas de que não tenha controle;
13. Não se exceda. Mantenha-se nos seus limites;
14. Não se torne demasiadamente sério;
15. Não desperdice a sua energia preciosa em fofocas;
16. Sonhe mais;
17. Inveja é uma perda de tempo. Tem tudo que necessita….
18. Esqueça questões do passado. Não lembre seu parceiro dos seus erros do passado. Isso destruirá a sua felicidade presente;
19. A vida é curta demais para odiar alguém. Não odeie.
20. Faça as pazes com o seu passado para não estragar o seu presente;
21. Ninguém comanda a sua felicidade a não ser você;
22. Tenha consciência que a vida é uma escola e que está nela para aprender. Problemas são apenas parte, que aparecem e se desvanecem como uma aula de álgebra, mas as lições que aprende, perduram uma vida inteira;
23. Sorria e gargalhe mais;
24. Não necessite ganhar todas as discussões. Aceite também a discordância;

Sociedade:
25. Dedique-se mais às pessoas que fazem realmente diferença em sua vida
26. Não deixe que pessoas ruins estraguem seu dia ;
27. Perdoe, mas não se deixe enganar novamente – proteja-se – seja vc mesmo seu melhor amigo;
28. Passe tempo com pessoas acima de 70 anos e abaixo de 6;
29. Tente fazer sorrir pelo menos três pessoas por dia;
30. Não te diz respeito o que os outros pensam de você;
31. O seu trabalho não tomará conta de você quando estiver doente. Os seus amigos o farão. Mantém contato com eles.

A Vida:
32. Faça o que é correto;
33. Desfaça-se do que não é útil, bonito ou alegre;
34. DEUS cura tudo; Ele está dentro de você!
35. Por muito boa ou má que a situação seja…. Ela mudará…
36. Não interessa como se sente, levante, se arrume e enfrente o seu dia ;
37. O melhor ainda está para vir;
38. Quando acordar vivo de manhã, agradeça a DEUS pela graça.
39. Mantenha seu coração sempre feliz.

Por último:
40. Compartilhe esta mensagem para aqueles que você ama e que deseja um 2013 maravilhoso!

2 Comentários

Arquivado em gentileza

A gentileza do melhor amigo do homem e do golfinho!


Na Irlanda do Norte um labrador acorda diariamente as seis da manhã e seu programa matinal preferido é ir até o porto da sua cidade dar um mergulho com um golfinho. O labrador tem quatro anos de idade e faz isso desde os oito meses de vida. É ou não é uma lealdade incrível com seu amigo do mar? O mergulho dura cerca de 10 minutos porque depois disso a primeira embarcação sai do porto e segue seu caminho, e o golfinho vai atrás para garantir seu café-da-manhã. Eles atiram peixes pro golfinho se alimentar. E aí chega o momento do labrador voltar para a margem junto com seu dono. O vídeo é uma graça. Vale muito a pena ver toda essa cena de verdadeira amizade e gentileza do melhor amigo do homem se divertindo com o golfinho.

* Por Tammy de Andrade

Deixe um comentário

Arquivado em gentileza

Dia Mundial da Gentileza!

Meu Deus! Como pude deixar esse dia passar! Que falta de gentileza da minha parte! Ainda bem que existem pessoas muito gentis, como o meu amigo Alex Pereira, que me lembrou dessa data. Dia 13 de novembro é o Dia Mundial da Gentileza, gente.

Quando me dei conta da data que passou me lembrei imediatamente de um episódio que vivi semana passada. Estava num ônibus que saia do aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, em direção a Barra. Um longo trajeto até a casa da minha prima. No meio daquele trânsito caótico do fim da tarde, admirando a orla notei um silêncio, ninguém buzinando, nenhum motoboy ralando o retrovisor de nenhum carro, nenhum motorista xingando…nossa, que paz! Que trânsito mais gentil! Fiquei pensando: um dia antes levei o mesmo tempo de viagem (uma hora e meia) pra atravessar a cidade de São Paulo e chegar num congresso. Quando cheguei ao destino estava esgotada de tanta buzina na cabeça. Maior stress.

Enfim, como não moro no Rio não tive a certeza se o trânsito por lá é realmente pacífico ou se dei sorte (Alex Pereira, apesar de você já ser um verdadeiro paulistano, me tira essa dúvida). O fato é que o momento gentileza estava por vir. Só restava eu e o motorista naquele ônibus. Comentei com ele onde eu estava indo, falamos sobre umas amenidades e tal e quando chegamos no ponto final ele me disse. Espera aqui que vou arranjar um táxi pra você chegar na sua prima. O cara nem entrou com o ônibus no terminal direito, parou, saiu correndo em direção a avenida e ficou gesticulando como um maluco e…não deu outra, um táxi parou. Ele me chamou e disse. Já orientei o taxista, em cinco minutinhos você está lá. Nossa, vocês não tem ideia de como agradeci aquele motorista!

MEOOO DEOSSSS, eu sou uma pessoa de sorte meixxxmo!!! rs… Não é sempre que a gente consegue presenciar uma situação de gentileza assim tão bacana. Sempre me falaram horrores sobre a falta de gentileza no trânsito carioca, mas fui surpreendida. Tive uma ótima impressão do trânsito pacífico daquela cidade MA-RA-VI-LHO-SA!

Quanta gentileza!

*Por Tammy de Andrade

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Pensamos muito e sentimos pouco!

” O caminho da vida pode ser livre e bonito, mas nós perdemos o caminho… Desenvolvemos velocidade, mas nos fechamos dentro de nós mesmos. A tecnologia, que traz abundância, deixou-nos carentes. Nosso conhecimento nos tornou cínicos; nossa esperteza, duros e insensíveis. Pensamos muito e sentimos pouco. Mais do que tecnologia, necessitamos de humanidade; mais do que esperteza, necessitamos de bondade e gentileza.

1 comentário

Arquivado em falta de gentileza, gentileza

Pagamento com gentileza!

Quer pagar quanto? 
Nada de dinheiro! Pagamento a vista e com muita gentileza!

Essa foi a estratégia de marketing da marca de chocolates finos dinamarquesa Anthon Berg Generous Store, que lançou a campanha numa “loja” de rua que fechou as portas e desmontou suas paredes assim que o estoque chegou ao fim. Ou seja, até que a última caixa de chocolate desaparecesse do estoque. Na verdade foi tudo bem rápido, afinal, quem resiste a um chocolate. E em troca de uma gentileza fica ainda mais gostoso. A loja não aceitava dinheiro ou cartão de crédito para a compra do chocolate e sim promessas de ações gentis como “ajudar na limpeza da casa do amigo”, “não comentar como a namorada dirige por uma semana”, “servir café-da-manhã na cama”, “não falar da amiga pelas costas por um mês”, etc. E o comprovante de pagamento era a postagem da promessa no facebook por meio de um aplicativo da loja. Vale a pena conferir essa ação bastante interessante e criativa.

* Por Tammy de Andrade

Deixe um comentário

Arquivado em gentileza

A gentileza das crianças!

Ah, a gentileza das crianças!!! Escolhi o tema porque lembrei de duas coisas: um vídeo que vi há algum tempo na internet e que queria postá-lo no Quanta gentileza e o artigo de uma amiga que complementa tudo isso.

O tema central do vídeo trata da desnutrição infantil, questiona como num mundo capaz de produzir o dobro dos alimentos que necessita morrem por ano 3.5 milhões de crianças. Mas, sinceramente, para mim o tema principal é a gentileza, sem dúvida. A espontaneidade das crianças é uma delícia de ver. Tudo aquilo que está no vídeo reflete a verdadeira essência do ser humano, mas que com o tempo (e sem um mínimo de educação em seu processo de crescimento) pode ser esquecida ou talvez deixada de lado…aí nos deparamos com pessoas que só querem saber do próprio umbigo…e esquecem de algo tão simples chamado: gentileza.

Vale a pena assistir ao vídeo, ler o artigo abaixo e refletir um pouquinho!

A criança e os limites

Pais e mães querem saber como podem colaborar em todo o processo de aprendizagem e crescimento de seus filhos. Vários aspectos poderiam ser levantados, porém, o mais relevante na educação seria o desenvolvimento gradativo da autonomia na criança, no sentido social, moral e intelectual. Os adultos estimulam o desenvolvimento da autonomia quando intercambiam pontos de vista com a criança em lugar de usar recompensas e castigos.

Cumpre lembrar que autonomia não significa a mesma coisa que liberdade completa. Ela envolve comportamentos que levam em consideração um agir consciente e responsável do que é o melhor para todos e não apenas para si próprio respeitando os limites que são a base de todo relacionamento social.Crianças que são educadas para a autonomia conseguem construir seus próprios valores, ao longo da vida, e são capazes de, mais tarde, agir de acordo com seus princípios, não se deixando governar por aqueles que possam colocar em risco sua segurança física, emocional e moral.

A educação indulgente e a falta de disciplina são responsáveis por gerações de crianças mal educadas, apáticas, amorais e infelizes. Quanto mais cedo forem induzidas a aprender, realizar, dialogar, respeitar a si mesmas e ao outro, mais naturalmente vão se comportar.

Não dar regras e orientações firmes e claras é a melhor maneira de se criar arrogância e desrespeito. Delegar obrigações e responsabilidades dá à criança um sentimento de competência que estimula seu potencial de crescimento. Amor, cuidado e disciplina são elementos essenciais na educação.

(Maria Cecília Lago Vaiano, psicóloga e responsável pelo blog Cuidar de quem cuida)

Quanta gentileza!

* Por Tammy de Andrade

10 Comentários

Arquivado em gentileza

A gentileza do destino!

Hoje é o casamento do meu melhor amigo. Confesso que não imaginava que ficaria tão emocionada e ansiosa com essa data como estou hoje (acredito até que mais ansiosa que ele). Afinal, pra quem acompanha há mais de 10 anos a trajetória pessoal e profissional de um grande amigo nada é mais gratificante do que vê-lo feliz ao lado de uma pessoa tão querida e especial como sua, a partir de hoje, esposa. Esta semana li um artigo muito bonito e reflexivo sobre as escolhas que fazemos em nossas vidas. Um trecho me chamou a atenção. Quando o autor diz que “pensa no amor como um voo de longa distância. O avião precisa estar carregado com o tempo da relação, com o prazer que ela proporciona e com a lealdade em que ela está baseada”. Com esse artigo (vide abaixo) faço aqui minha homenagem aos amigos Dinho e Ciça. Desejo que o avião deste casal tão importante na minha vida esteja carregado de muito amor, carinho e gentileza.

AQUI, AGORA, DE TODO O CORAÇÃO

Como fazer a escolha mais delicada da sua vida?

Escolher é difícil. Pergunte a um psicólogo e ele vai explicar por que gente obrigada a optar entre uma coisa e outra – qualquer que sejam essas coisas – sente ansiedade. Isso acontece em lojas de sapato, em restaurantes, na porta do cinema e até no sexo. Uma amiga me contou outro dia como foi estar numa festa e ter dois homens sedutores dando em cima dela. “Tive de escolher um deles, mas com um aperto no coração”, ela me disse. No dia seguinte, o bonitão que ela escolheu caiu no vácuo e nunca mais deu notícias. Escolher, ela aprendeu, é abrir mão de alguma outra coisa – e as consequências podem ser irreversíveis.
Infelizmente para nós, nem todas as escolhas são tão simples quanto a do sexo na balada. Penso na escolha mais delicada que a gente faz na vida, aquela que envolve os parceiros de longo prazo. Em que momento concluímos que uma pessoa deixou de ser apenas item de prazer ou fonte de encantamento e se tornou a criatura com quem vamos dividir a vida? Pode ser casando, comprando apartamento e tendo filhos, ou, de forma menos ritualizada, pondo os sentimentos e necessidades dela no centro da nossa vida, mesmo vivendo em casas separadas. O compromisso é parecido, assim como os caminhos que levam a ele.

A primeira coisa que conta nas grandes escolhas – eu acho – é a permanência. Ninguém tem direito a reivindicar um posto dessa importância sem ter ralado um tanto. Não adianta a Fulana decidir, em 30 dias, que vai ser sua mulher para o resto da sua vida. Não funciona assim. O teste do tempo é fundamental. Se aquela mulher ou aquele sujeito continua lá depois de todas as discussões e inevitáveis desencontros, se ela ou ele resolveu ficar depois de todas as chances de ir embora, se os seus sentimentos em relação a ele ou ela continuam vivos, um bom motivo há de haver.

É essencial, também, que a experiência de convívio seja boa. Amores tumultuados dão bons filmes e péssimas vidas. É essencial acordar no sábado e ter vontade de ficar mais tempo na cama, enrolado naquele ser ao seu lado. Se a conversa antes de dormir deixou de ser gostosa ou se qualquer programa parece mais interessante do que a companhia dela ou dele, para que insistir? O prazer que o outro proporciona é essencial. Prazer de transar, prazer de olhar, prazer de ouvir, prazer de simplesmente estar. Se você caminha pela rua com ela e os dois são capazes de rir um com o outro, algo vai bem. Se você passa a tarde com ele no sofá, lendo ou transando, e o dia parece perfeito, eis um bom sinal. A felicidade não tem receita, mas a gente percebe quando está funcionando.

Para que as coisas funcionem no longo prazo é essencial haver lealdade. Eu cuido, eu protejo, eu respeito – e você faz o mesmo comigo. Se você não sente que seus sentimentos e a sua vida são importantes para ele ou para ela, desista. Como o ambiente lá fora é hostil, é essencial saber que no interior da relação existe cumplicidade e abrigo, com um grau elevado de honestidade: você diz o que pensa e isso vai ajudar, ainda que doa. É impossível prometer que coisas ruins jamais irão acontecer, é falso garantir que os sentimentos permanecerão os mesmos para sempre, mas é essencial olhar nos olhos do outro e sentir a disposição de tentar, verdadeiramente, que seja assim. Aqui, agora, de todo o coração, tem de ser para sempre – ou então a gente nem começa.

Se tudo isso existir – e não é fácil – ainda fará falta um quarto elemento, essencial ao equilíbrio duradouro das relações: os planos. Se ele que ter cinco filhos e você não quer ser mãe, não vai rolar. Se ela quer levar uma vida de viagens e aventura e o seu sonho é ficar aqui mesmo, perto das famílias e dos amigos, não deu. Viver bem pressupõe afinidades essenciais de gosto, sentimento e expectativas, sem falar de ideologia. Todas essas coisas se refletem nos planos.Eu penso no amor como um voo de longa distância. O avião precisa estar carregado com o tempo da relação, com o prazer que ela proporciona e com a lealdade em que ela está baseada – mas as pessoas ainda têm de concordar sobre o destino. Se eu quero ir à Tóquio e você à Nova York, precisamos embarcar em vôos diferentes.

* Por Ivan Martins, jornalista da revista Época

Quanta gentileza!

1 comentário

Arquivado em gentileza