A gentileza das crianças!

Ah, a gentileza das crianças!!! Escolhi o tema porque lembrei de duas coisas: um vídeo que vi há algum tempo na internet e que queria postá-lo no Quanta gentileza e o artigo de uma amiga que complementa tudo isso.

O tema central do vídeo trata da desnutrição infantil, questiona como num mundo capaz de produzir o dobro dos alimentos que necessita morrem por ano 3.5 milhões de crianças. Mas, sinceramente, para mim o tema principal é a gentileza, sem dúvida. A espontaneidade das crianças é uma delícia de ver. Tudo aquilo que está no vídeo reflete a verdadeira essência do ser humano, mas que com o tempo (e sem um mínimo de educação em seu processo de crescimento) pode ser esquecida ou talvez deixada de lado…aí nos deparamos com pessoas que só querem saber do próprio umbigo…e esquecem de algo tão simples chamado: gentileza.

Vale a pena assistir ao vídeo, ler o artigo abaixo e refletir um pouquinho!

A criança e os limites

Pais e mães querem saber como podem colaborar em todo o processo de aprendizagem e crescimento de seus filhos. Vários aspectos poderiam ser levantados, porém, o mais relevante na educação seria o desenvolvimento gradativo da autonomia na criança, no sentido social, moral e intelectual. Os adultos estimulam o desenvolvimento da autonomia quando intercambiam pontos de vista com a criança em lugar de usar recompensas e castigos.

Cumpre lembrar que autonomia não significa a mesma coisa que liberdade completa. Ela envolve comportamentos que levam em consideração um agir consciente e responsável do que é o melhor para todos e não apenas para si próprio respeitando os limites que são a base de todo relacionamento social.Crianças que são educadas para a autonomia conseguem construir seus próprios valores, ao longo da vida, e são capazes de, mais tarde, agir de acordo com seus princípios, não se deixando governar por aqueles que possam colocar em risco sua segurança física, emocional e moral.

A educação indulgente e a falta de disciplina são responsáveis por gerações de crianças mal educadas, apáticas, amorais e infelizes. Quanto mais cedo forem induzidas a aprender, realizar, dialogar, respeitar a si mesmas e ao outro, mais naturalmente vão se comportar.

Não dar regras e orientações firmes e claras é a melhor maneira de se criar arrogância e desrespeito. Delegar obrigações e responsabilidades dá à criança um sentimento de competência que estimula seu potencial de crescimento. Amor, cuidado e disciplina são elementos essenciais na educação.

(Maria Cecília Lago Vaiano, psicóloga e responsável pelo blog Cuidar de quem cuida)

Quanta gentileza!

* Por Tammy de Andrade

Anúncios

10 Comentários

Arquivado em gentileza

10 Respostas para “A gentileza das crianças!

  1. Fabio

    Muito interessante a matéria, porém ha um ponto que a psicologa necessitaria reformular (ao meu ver): “Crianças que são educadas para a autonomia conseguem construir seus próprios valores, ao longo da vida, e são capazes de, mais tarde, agir de acordo com seus princípios (…)” Uma criança não cria seus proprios valores, pois estes são todos herdados e devem ser validados por um grupo social.
    Em seguida, parece-me que a psicologa se contradiz quando afirma “Não dar regras e orientações firmes e claras é a melhor maneira de se criar arrogância e desrespeito.” Se o educador impõe seus valores à criança, esta vai reproduzir as orientações impostas. Isso parece-me ir contra a ideia de autonomia defendida no principio.

    • Olá Fabio
      Em meu texto eu falei sobre construção de principios e não criação.A construção se dá a partir dos exemplos ,das oportunidades de conversa e vivência .A criação seria uma invenção.Deu para entender o que pretendi dizer?
      Quando escrevo sobre regras e orientações firmes e claras , não estou me referindo a ordens, mas a limites, respeito ao outro,às normas que são fundamentais em uma sociedade.

      Não há verdade absoluta sobre crianças, regras, limites, etc.,muito pelo contrário ,a “divergência ” é que faz uma construção mais eficaz,
      Obrigada por seu comentário.
      Tammy querida ,fiquei felicíssima quando voce aliou esse video ao meu trabalho.

  2. Lígia S.

    O Dicionário Houaiss define “indulgente” como “aquele que tem disposição para desculpar ou perdoar; clemente”.
    A origem de “indulgente” é o Latim INDULGENS, “complacência, remissão”, do verbo INDULGERE, “ser bondoso, ceder”.
    bom,fiquei um pouco confusa quanto a questão da educação indulgente escrita acima, veja:” A educação indulgente e a falta de disciplina são responsáveis por gerações de crianças mal educadas, apáticas, amorais e infelizes. Quanto mais cedo forem induzidas a aprender, realizar, dialogar, respeitar a si mesmas e ao outro, mais naturalmente vão se comportar.”
    Penso que seja muito importante a indulgencia na educação, visto que, tanto em sociedade como na escola as crianças são muito mais direcionadas aprendizados “externos” do que para o olhar sobre a educação dos sentimentos, haver indulgencia entre professores e aluno neste sentido é fundamental para um ambiente mais ameno e menos violento,assim mesmo diante das diversidades haverá apaziguamentos. acredito que a indulgencia como aquele que tem disposição de desculpar é uma sequencia lógica pensar que isto gerará diálogo e respeito mútuo.
    gostaria se possivel de receber seu esclarecimento a respeito.
    desde já agradeço!

  3. Maria Cecilia

    Olá Ligia,
    Seu comentário tem muito a ver com a intenção do texto.Já no 1º e 2º parágrafos, me refiro a” vários aspectos poderiam ser levantados, porém, o mais relevante na educação seria o desenvolvimento gradativo da autonomia na criança, no sentido social, moral e intelectual. Os adultos estimulam o desenvolvimento da autonomia quando intercambiam pontos de vista com a criança em lugar de usar recompensas e castigos.
    Cumpre lembrar que autonomia não significa a mesma coisa que liberdade completa. Ela envolve comportamentos que levam em consideração um agir consciente e responsável do que é o melhor para todos e não apenas para si próprio respeitando os limites que são a base de todo relacionamento social.Crianças que são educadas para a autonomia conseguem construir seus próprios valores, ao longo da vida, e são capazes de, mais tarde, agir de acordo com seus princípios, não se deixando governar por aqueles que possam colocar em risco sua segurança física, emocional e moral.”
    Quanto a questão da indulgência :não podemos esquecer sua importância,porém é fundamental levar em conta que a indulgência excessiva ( como a que ocorre nos dias de hoje ,em qualquer âmbito de nossas vidas) leva à ausência de limites.
    O vídeo nos mostra claramente a “obediência” das crianças as instruções fornecidas e, a solidariedade, o companheirismo, o afeto e a compreensão da decepção e dor de seu parceiro .Então,…compartilha, e divide aquilo que tem.
    Se todos pensássemos com essa ingenuidade e pureza ,o mundo ficaria menos teórico ,mas prático e afetuoso.
    Agradeço seu comentário,voce enriqueceu meu ponto de vista.

  4. Maria Cecilia

    Tammy,
    obrigada pelo “link” .Gostei demais.Bjo

  5. Lígia S.

    Agora entendi melhor seu ponto de vista. Também enriqueceste meu ponto de vista.Agradeço o esclarecimento.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s