Arquivo da categoria: Uncategorized

Dia Mundial da Gentileza!

Meu Deus! Como pude deixar esse dia passar! Que falta de gentileza da minha parte! Ainda bem que existem pessoas muito gentis, como o meu amigo Alex Pereira, que me lembrou dessa data. Dia 13 de novembro é o Dia Mundial da Gentileza, gente.

Quando me dei conta da data que passou me lembrei imediatamente de um episódio que vivi semana passada. Estava num ônibus que saia do aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, em direção a Barra. Um longo trajeto até a casa da minha prima. No meio daquele trânsito caótico do fim da tarde, admirando a orla notei um silêncio, ninguém buzinando, nenhum motoboy ralando o retrovisor de nenhum carro, nenhum motorista xingando…nossa, que paz! Que trânsito mais gentil! Fiquei pensando: um dia antes levei o mesmo tempo de viagem (uma hora e meia) pra atravessar a cidade de São Paulo e chegar num congresso. Quando cheguei ao destino estava esgotada de tanta buzina na cabeça. Maior stress.

Enfim, como não moro no Rio não tive a certeza se o trânsito por lá é realmente pacífico ou se dei sorte (Alex Pereira, apesar de você já ser um verdadeiro paulistano, me tira essa dúvida). O fato é que o momento gentileza estava por vir. Só restava eu e o motorista naquele ônibus. Comentei com ele onde eu estava indo, falamos sobre umas amenidades e tal e quando chegamos no ponto final ele me disse. Espera aqui que vou arranjar um táxi pra você chegar na sua prima. O cara nem entrou com o ônibus no terminal direito, parou, saiu correndo em direção a avenida e ficou gesticulando como um maluco e…não deu outra, um táxi parou. Ele me chamou e disse. Já orientei o taxista, em cinco minutinhos você está lá. Nossa, vocês não tem ideia de como agradeci aquele motorista!

MEOOO DEOSSSS, eu sou uma pessoa de sorte meixxxmo!!! rs… Não é sempre que a gente consegue presenciar uma situação de gentileza assim tão bacana. Sempre me falaram horrores sobre a falta de gentileza no trânsito carioca, mas fui surpreendida. Tive uma ótima impressão do trânsito pacífico daquela cidade MA-RA-VI-LHO-SA!

Quanta gentileza!

*Por Tammy de Andrade

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Feliz Ano Novo (com muita gentileza)!!!

Confesso que estive nos últimos meses bastante ausente do Quanta gentileza. O ano foi intenso. Semear foi o verbo da vez. Mas eu não podia deixar 2011 terminar assim em branco, queria postar uma mensagem que tivesse a ver com tudo aquilo que penso e acredito, na qual a gentileza sempre está inserida. Recebi hoje um cartão virtual de uma amiga e o seu conteúdo tinha exatamente tudo aquilo que eu gostaria de dizer e compartilhar era mais do que minha obrigação neste período de reflexão e balanço de nossas vidas, do que realizamos e do que pretendemos realizar no próximo ano.

Confira:

NÃO VOU LHE DESEJAR UM FELIZ ANO NOVONão vou desejar que nesse ano encontre paz e felicidade permanentes. Não vou desejar que supere todas as suas metas e vença todos os desafios, encontre alegria no amor, fique rico e seja sempre a pessoa mais linda e simpática do planeta. Mas vou te desejar saúde. Porque com saúde não se brinca.

Não vou desejar que 2012 seja o melhor ano de todos os anos de sua vida. 365 dias é muito pouco para todas as conquistas, todos os desafios e tudo o mais que deseja FAZER, SER e TER. Esse ano quero desejar outra coisa. Desejo que se lembre de todas as conquistas que teve. Que olhe para trás e veja tudo o que foi aprendido, se lembre de todas as pessoas que apoiaram e quem você foi em todas essas situações. Que determine a vida que quer levar. De repente não é a que está levando agora, a que seus pais querem que leve. Ou seu amor. Ou seus amigos. Ou sua comunidade. Pare e pense na vida que você quer ter.

Escolha as pessoas que lhe acompanharão.Aquelas que agregam, que lhe dão apoio em todos os momentos. Escolha as que quer ao seu lado e querem estar ao seu lado. Descubra o que lhe dá prazer e trabalhe para que seja constante em seu dia-a-dia. Faça o que você ama e ame o que faz.

Reconheça as características pessoais que não gosta e aprenda a mudá-las (ou aceitá-las). Você pode ser uma pessoa melhor todos os dias. Por que quem você quer ser já está dentro de você. Então, procure. Insista e não desista.

Sim, um ano inteiro é muito pouco para tantos desejos. Então, vamos lá. Procure dentro de você a força que precisa. Suspire fundo. Comece. Agora. Sua vida está esperando.

 Feliz vida para você! 

Quanta Gentileza!

* Por Tammy de Andrade

(Muito obrigada minha amiga Grazielle Robles por compartilhar esta mensagem do Personare comigo)



5 Comentários

Arquivado em gentileza, Uncategorized

A gentileza de ser gentil!

Como disse Madre Teresa de Calcutá “palavras gentis podem ser curtas e fáceis de falar mas os seus ecos são infinitos”. Pois é, lembrei dessa frase porque sei que pequenos gestos (ou palavras) podem causar grandes transformações. E o poder da gentileza é justamente o tema de uma reportagem inspiradora publicada na Revista Ponto de Encontro, da Drogaria SP. Vale a pena conferir para relembrar que uma atitude gentil não custa nada e só faz bem!

* Por Tammy de Andrade

Obs: Obrigada Juliana Rojo pela gentileza de compartilhar essa matéria

2 Comentários

Arquivado em gentileza, Uncategorized

A gentileza das palavras!

Eu acredito no poder das palavras. Elas possuem força para alegrar, libertar, tranquilizar, infuenciar e mudar o rumo de muita coisa nas nossas vidas (seja positivamente ou negativamente). Recebi há algum tempo um e-mail com o vídeo “O Poder das Palavras: mude suas palavras, mude seu mundo”, muito gracinha e muito reflexivo. Se você ainda não viu, veja! Reflita sobre tudo o que você expressa no dia-a-dia. Será que você consegue dizer as mesmas coisas só que com outras palavras? Um exercício interessante de gentileza!

* Por Tammy de Andrade

5 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Pessoas gentis são mais atraentes

As malas pesadas vinham de todos os lados no Terminal Rodoviário do Tietê, na zona norte de São Paulo, quando muitos já voltavam do feriado de carnaval. Algumas pessoas carregavam várias. “Mas ninguém ajuda”, reclama a advogada Thaíse Andia, de 31 anos, três malas, que voltava de Santa Bárbara d”Oeste, no interior.

“Em cinco anos, viajando a cada 15 dias, conto nos dedos de uma mão as vezes em que alguém ofereceu auxílio.” Thaíse não é a única a se incomodar com a falta de gentileza do paulistano. Segundo o livro Pessoas Gentis São Mais Felizes (Editora BestSeller), do professor italiano P.M. Forni, a cordialidade cria bem-estar, derruba a ansiedade, o estresse e a tristeza, além de aumentar a produtividade e nos tornar atraentes. Praticamente um elixir. Quem é menos gentil do que deveria acaba privado desses efeitos positivos.

“Nas metrópoles, viver no anonimato e o elevado estresse são responsáveis pelas atitudes grosseiras”, disse Forni, professor e fundador da Civility Initiative, da Universidade John Hopkins, nos Estados Unidos.

A psicóloga Claudia Stella, professora de Psicologia e Sociedade da Universidade Mackenzie e da pós-graduação em Educação da PUC, concorda com Forni. “Há 20 anos, a queixa principal no consultório era a dificuldade de relações. Agora, é a impessoalidade das relações. Tem me assustado a fala do “eu sozinho”.”

Na rodoviária, entre sete pessoas que a reportagem abordou em dez minutos, todas negaram uma palavra – e quatro não foram nada gentis. Considerando que a viagem poderia ter sido cansativa, a ideia foi seguir para a Avenida Paulista, na região central. Foi ainda pior.

No ponto de ônibus, duas moças usavam os assentos para elas e suas sacolas, deixando uma senhora em pé. Na entrada da Estação Consolação do metrô, um casal diminui o passo para dar um beijo. Três pessoas que vinham atrás fizeram cara de poucos amigos ao desviar. Um deu até um esbarrão. Os pedestres invadem a via na esquina com a Rua Augusta, mesmo com o semáforo fechado para eles, e os carros freiam em cima. Quase que por vingança, os veículos avançam em quem ainda atravessa a faixa assim que o sinal abre. E ninguém pode demorar um segundo a mais parado no lugar que as buzinas gritam.

Sociedade bruta. Para a filósofa Olgária Mattos, coordenadora do curso de Filosofia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), há um embrutecimento dos costumes. “A grosseria é tanta que as pessoas nem percebem.” Olgária explica que a palavra gentil vem do latin gentilis, que significa clã, pessoas que convivem juntas.

Em 2008, uma publicação americana divulgou um ranking de gentileza com 35 cidades do mundo. São Paulo ficou em quarto lugar. A psicóloga Sâmia Simurro, da Associação Brasileira de Qualidade de Vida (ABQV), representante no Brasil da World Kindness Moviment (Movimento Mundial da Gentileza), não concorda com a classificação. “O estudo foi superficial, baseado no número de pessoas que recolhiam uma caneta que alguém deixava cair.”

Cordialidade vai além. É respeitar o espaço do outro, ser tolerante, agradecer, ajudar, fazer um elogio, sem contar o uso de palavras como “bom dia” e “por favor”. Todos os entrevistados disseram que a violência também atrapalha a gentileza. Nunca se sabe quem oferece ajuda. Mas, como lembra Sâmia, não basta culpar a desconfiança. “Praticar a gentileza nas relações diárias, como as familiares e profissionais, cria uma integração que vai crescendo até se tornar um hábito.”

Fonte: O Estado de S. Paulo

7 Comentários

Arquivado em Uncategorized

A gentileza e a fúria da natureza!

Este era para ser o início das férias de um amigo que estava feliz da vida porque retornaria ao seu país de origem, República Dominicana, e incluiria em seu roteiro uma visita a sua família no Haiti.

Fotógrafo profissional, já clicou por lá, em outras ocasiões, diversos rostos, ângulos coloridos de uma cultura vibrante, paisagens inusitadas, como a que ilustra este post, produzida alguns anos atrás. Mas jamais imaginou que um dia registraria em sua memória imagens tão doloridas como as desta semana. A tragédia antecipou em alguns dias sua viagem ao Haiti e mudou por completo o contexto de sua visita.

O ano mal começou e três tragédias marcaram (e marcam) os noticiários em todo o mundo: o deslizamento de terra, em virtude da chuva, que atingiu muitas comunidades de Angra dos Reis; a enchente que destruiu a cidade histórica de São Luiz do Paraitinga, e o terremoto que atingiu cerca de 50 mil vítimas no Haiti esta semana. Água, comida e, agora, o aparecimento de doenças são os principais problemas encontrados.

– “Keep us in your prayers, Tammy” (Nos mantenha em suas orações, Tammy). Foi assim que meu amigo se despediu de mim ontem em seu e-mail.

Eu fico inconformada com quem ainda arremessa lixo nas ruas, no mar ou causa destruição no meio ambiente sem pensar no dia de amanhã. Essa é apenas a ponta do iceberg, eu sei. Mas tudo isso que está acontecendo no mundo todo é uma fatalidade, sim, mas tem aí no meio a consequência de inocentes ações coletivas que provocam da natureza reações de fúria. O fato é que a natureza é gentil, mas a sua fúria mata!

– “Yes, I will. God bless you, Conrad(Sim, eu vou. Deus abençoe todos vocês).

* Por Tammy de Andrade

Há vários canais para cidadãos e empresários interessados em fazer doações para as vítimas do terremoto no Haiti. Veja quais são as principais formas de ajudar:

Cruz Vermelha
HSBC
Agência 1276
Conta corrente 14526-84
CNPJ é 04359688/0001-51

Pastoral da Criança
HSBC
Agência 0058
Conta Corrente 12.345-53
CNPJ 00.975.471/0001-15

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Quanta gentileza no Burguer King

by ComstockAlgumas situações de falta de gentileza que presenciei na minha vida aconteceram com amigos ou amigas, e eu simplesmente testemunhei essas cenas, que na minha ótica foram hilárias. No ato falho de algum atendimento meus amigos ficavam furiosos, mas eu dava risada (quem me conhece sabe que são gargalhadas na verdade) porque não me resta outra alternativa.

Me lembro de uma ocasião em que estava na praça de alimentação do Shopping Villa Lobos aguardando dar o horário do cinema. Na época o Burguer King estava bombamdo, existiam poucas lojas em São Paulo. Meu amigo pediu um super combo com Chicken Whopper, fritas e uma coca.

Gente, se liga na cena. Meu amigo é bastante metódico (não sei se isso foi bom ou ruim naquele momento), começou com as fritas. Quando as fritas acabaram ele devorou o Chicken Whopper. Aí chegou a vez da coca. Estávamos conversando enquanto ele bebia num golão aquele copão de refrigerante, quando de repente, cof cof cof cof…

– O que foi, engasgou?

Ele enfiou o dedo dentro da boca para saber a causa do seu engasgamento e olhem só!

– PQP é uma unha!

Gente, vocês conseguem imaginar? Depois de comer todo aquele lanche, toda aquela batatinha, no último gole de coca-cola uma unha sobe pelo canudo? Ah, vai se ferrar, que nojo!

Ficamos os dois numa mistura de sensações. A primeira reação que tive foi a de me levantar e ir correndo reclamar. Mas quando virei e vi aquela aglomeração e fila no balcão do Burguer King me deu uma pregui…

Comecei a rir, claro. Imaginando os funcionários da loja ao lado da fritadeira com um “trim” na mão cortando as unhas da mão. Ah, se sobrar um tempinho corto as unhas do pé lá no depósito. Meu Deus, como aquele pedaço de unha (era do dedinho da mão, tá gente, só pra esclarecer), foi parar naquele copo?

A pergunta que não queria calar era se o funcionário do Burguer King estava cortando as unhas ao colocar o refrigerante na máquina ou na hora de desembalar os copos das caixas? Ou se ele roeu a unha e deu uma cuspidinha rápida para o lado e aí a unha foi parar dentro de um copo premiado? Que dúvida cruel. Mas não importa, o que importa é que ela foi parar na goela de um cliente de qualquer forma.

Minha única contribuição, já que sou jornalista, foi enviar um e-mail para a assessoria de imprensa do Burguer King e relatar o caso, mas tudo numa boa. Estou esperando uma resposta (ou até mesmo um pedido de desculpas) até agora.

Valeu Burguer King por me propocionar um tempero especial no nosso combo: sabor unha. Quanta gentileza!

* Por Tammy de Andrade

4 Comentários

Arquivado em Uncategorized